Estudante de medicina é condenado por fraudar raça, para ingressar em universidade

Estudante de Medicina foi indiciado por fraudar sistema de cotas, para ser aprovado em vestibular de medicina de universidade em Rio Verde-GO.

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Um estudante de Medicina da Universidade de Rio Verde (UniRV), no sudoeste goiano, foi indiciado por fraudar o sistema de cotas para ser aprovado no vestibular. A delegada Taísa Antonello, da Delegacia de Defesa Social (DDS), afirma que imagens mostram que, no dia da banca avaliadora, o homem, de 35 anos, se apresentou com o tom de pele escuro e cabelo curto.
O suspeito foi indiciado na quinta-feira (4), por falsidade ideológica. “Ele afirmou à Comissão de Cotas que era pardo/negro para ingressar na faculdade. Ele inseriu um dado falso em um documento verdadeiro para obter vantagem no processo”, explica Antonello.
A UniRV conta que no dia 03 de outubro de 2022, a ouvidoria da universidade recebeu por e-mail a denúncia de que o estudante havia ingressado de forma irregular, utilizando-se do Sistema de Cotas no vestibular para o Câmpus Formosa. Após a denúncia, a instituição abriu um Processo Administrativo Disciplinar e chamou por três vezes o homem para um interrogatório.

“No entanto, ele não compareceu, justificando sua ausência mediante apresentação de vários atestados médicos”, afirmou a UniRV em nota. Diante disso, a Comissão de Processo Administrativo pegou o vídeo da entrevista realizada com o estudante, em 2019, para ingresso pelo Sistema de Cotas e comparou com as fotos e vídeos publicadas por ele nas redes sociais.
Após essa análise, a Comissão Recursal de Verificação do Sistema de Cotas verificou que o acadêmico modificou sua própria aparência para se submeter à Comissão de Análise, em 2019. Com isso, a universidade decidiu pelo desligamento do estudante. “Após apreciação do Conselho Universitário, o discente Thiago foi desligado da instituição no dia 11 de abril de 2023.
A delegada responsável pelo caso contou que os peritos da Polícia Civil usaram o mesmo vídeo da entrevista e as fotos das redes sociais para confirmar que o estudante fraudou o sistema. “No dia em que ele se apresentou à Comissão, ele estava com um tom de pele mais escuro e o cabelo curto. No Instagram, ele é bem diferente nas fotos, sendo bem mais claro”, afirma.

Antonello destaca que essa análise é complexa, pois, além do tom da pele, existem outras características físicas, como por exemplo, nariz, cabelo e boca, que também influenciam no processo. “Por isso, levamos as fotos para os membros da Comissão e perguntamos se uma pessoa com aquelas características seria aprovada no Sistema de Cotas e eles disseram que não”, explica.

Com as análises das imagens e a resposta da Comissão, a delegada decidiu pelo indiciamento do estudante. Antonello afirma ainda que o homem passou por um interrogatório na delegacia de Formosa, onde mora atualmente, mas se manteve em silêncio. O inquérito foi finalizado na quinta-feira e, segundo a investigadora, foi remetido à Justiça nesta sexta-feira (5).

Foto: Reprodução UniRV Formosa

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

Mídia Jataí
Anuncie Aqui

 

Sobre Carina Bernasoli Ferreira

Carina

Sou Carina Bernasoli Ferreira Graduanda em Jornalismo, sou Formada em Licenciatura Letras Português. Natural de Jataí - Goiás. Casada e mãe de dois filhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *